terça-feira, 5 de agosto de 2014

É chatear demais.

É chatear demais.
por Aurelina Haydêe do Carmo

Por ocasião do MUNDIAL, estava de descida para ver a chegada de nossos Hermanos chilenos. Passariam em comboio em frente da minha residência. Aqui de cima escutei o buzinaço. Fecho a porta e saio em direção ao elevador, o telefone fixo toca, toca e toca.

Resolvi voltar, abri a porta, pego o fone: Alô! Do outro lado pergunta pelo meu nome. Digo, quem é? A voz responde: Está tudo bem com a senhora?
Respondo: Qual o interesse?
Insiste: Tá tudo bem? (ficamos meio desconfiados com a preocupação, neste tempo de MURICí-cada um por sí). Risos.

Devido a insistência sobre o meu estado, (emocional, saúde ou financeiro, não sei...). Respondo que SIM.

A voz feminina do outro lado diz: Aqui é da Farmácia... a senhora está precisando de sampoo...antisséptico bacteriostático...esparadrapo...colírio ou xarope prá tosse?

Pensei... pelo tempo que passei nessa farmácia para abastecer a farmacinha de primeiros socorros para empreender uma pequena viagem, jamais imaginei que ainda estavam lembrando de mim.

Pensei... em tempos de crise recebemos inúmeros telefonemas oferecendo biscoitos caseiros, pano de prato e de chão, sacos de lixo, doces caseiros, bonecas de pano, pulseirinhas de contas, calcinhas de algodão, empréstimos ,operadoras de telefones, viagens etc, etc.

Mas... remédios? É chatear demais!
                                    *Conto- Aurelina Haydêe do Carmo.
---
Agora vamos estender o nosso BOM DIA a Cuiabá, Mato Grosso, Brasil e ao Mundo que neste momento esta precisando muito de um BOM DIA. Professora Aurelina Haydee do Carmo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Dica: Quem não tem senha no Google/Gmail clique:
Comentar como: "Anônimo"
deixe seu nome, cidade e comentário.