terça-feira, 23 de maio de 2017

Oração pelos que perderam a Mãe

Homenagem de Aurelina Haydêe do Carmo as mães - mês de Maio. 
Poemas de Gióia Junior.

Oração pelos que perderam a Mãe

Para muitos este dia é duro e longo,
Não aquece, mas queima.
Em todos nós há  muito da criança,
Do menino que fomos um dia,
E este dia, sem mãe – é uma hora vazia.
Com muito de saudade e muito de lembrança.

Ah, doce presença,
O sorriso na hora da volta,
A refeição posta na mesa,
O prato fumegante
A bebida quente,
A cama posta – os lençóis muito brancos
O cobertor na noite fria,
E aqueles olhos abertos, escancarados,
Velas acesas- preocupação imensa
Na hora da doença!

Ah, os joelhos dobrados
Noites inteiras,
Perdidas madrugadas.
Olhos vermelhos de tanto pranto...
- Deus ouve as mães como ninguém!

E, este dia a sua ausência,
A dura ausência,
Pesada ausência.

Ela não está em casa.
A casa é fria na sua ausência,
Ela não está nas compras,
Ela não está na cidade!
Ela é uma sombra de saudade.
Uma palavra de saudade.
Uma cantiga de saudade!

Abençoa Senhor
Os que perderam a mãe.
A canção que ficou vazia.
O verso sem poesia,
O olhar sem brilho.
Fica ao lado do filho
Nesta hora maior de saudade tão alta...
Os que já não tem mãe
E sentem brutalmente a sua falta!

Leva-lhes neste instante
Onde quer que elas estejam
Numa outra existência, numa outra cidade,
Esta homenagem feita de carinho
Mas sobre tudo, luz do meu caminho.
Esta palavra cheia de saudade,
Esta canção perdida de saudade.

Esta existência morta de saudade!

Agora vamos estender o nosso BOM DIA a Cuiabá, Mato Grosso, Brasil e ao Mundo que neste momento esta precisando muito de um BOM DIA. Professora Aurelina Haydee do Carmo

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Para Mãe ele é sempre o menino

Homenagem de Aurelina Haydêe do Carmo as mães - mês de Maio. 
Poemas de Gióia Junior.

Para Mãe ele é sempre o menino

Para mãe ele é sempre um menino a criança
Seja ele homem do bem,
Seja ele um assassino,
E envolve no calor da bem aventurança
Seu berço seu destino.
Para mãe que é seu bem
Ele é quase divino.
Maldade não o atinge e inveja não o alcança
Para mãe ele é sempre a criança o menino.
O sonho mais querido e a mais cara lembrança.
Se é rico tanto faz.
Se é  pobre que lhe importa?
E não faz mal se a sua estrada é reta ou torta.
E pouco se lhe dá se é grande ou pequenino
Para mãe ele é tudo.
Alento e segurança.
É mau é só seu filho- o menino – a criança,

É bom, é filho só, a criança, o menino.

Agora vamos estender o nosso BOM DIA a Cuiabá, Mato Grosso, Brasil e ao Mundo que neste momento esta precisando muito de um BOM DIA. Professora Aurelina Haydee do Carmo

domingo, 14 de maio de 2017

O desejo de Mãe

Homenagem de Aurelina Haydêe do Carmo as mães - mês de Maio.
Poemas de Gióia Junior.

O desejo de Mãe
No dia das Mães – Não trago um presente.
Não trago uma flor – Não trago um pedido.
Não trago angústia – Trago o meu Amor.

Bendita entre todas as demais mulheres,
Pede o que quiseres,
Para que eu demonstre a minha gratidão.

Não desejo nada – Diz a mãe amada.
Não preciso nada – Não te peço nada.
Dá – me a tua mão.

Se quiseres busco a estrela mais preciosa.
Ponho no jardim a mais bela rosa,
Arranco do chão
O que de mais belo possa dar o solo...
Dá- me a tua mão.

Fixa nos meus olhos o teu olhar sereno,
Eu quero de novo te sentir pequeno ,
Embalar – te ao colo.
Dá- me tua mão.

Filho, não me esqueças,
Eu quero de novo cantar a canção
A canção antiga para que adormeças.

Que importa se és forte, se tens graça ou brilho.
Se  enfrentas a morte, se zombas do exílio.
Para outras creias, será rumo e sorte.

Para mim apenas, tu serás  meu filho.

Agora vamos estender o nosso BOM DIA a Cuiabá, Mato Grosso, Brasil e ao Mundo que neste momento esta precisando muito de um BOM DIA. Professora Aurelina Haydee do Carmo

terça-feira, 9 de maio de 2017

Mamãe Pequenina

Homenagem de Aurelina Haydêe do Carmo as mães - mês de Maio. 
Poemas de Gióia Junior

Mamãe Pequenina

Mamãe pequenina
Menor que uma Flor
Palavra divina
Poema de Amor
Cabelos de neve
Olhar já sem brilho.
Olhar tão estrela na vida do filho.
Só tenho uma estrada,
Seguir os teus passos.
Só tenho um caminho,
Dormir em teus braços.
Só tenho um desejo.
Só um,
Nada mais.
É que mamãezinha,

Não morra jamais.

Agora vamos estender o nosso BOM DIA a Cuiabá, Mato Grosso, Brasil e ao Mundo que neste momento esta precisando muito de um BOM DIA. Professora Aurelina Haydee do Carmo

terça-feira, 2 de maio de 2017

As Mães são Flores

As Mães são Flores


Homenagem de Aurelina Haydêe do Carmo as mães - mês de Maio.
Poemas de Gióia Junior 

As Mães são Flores

São como as flores,
São como as flores, na suavidade, no aroma e cor
No sacrifício da mocidade, na doce benção, no puro amor.

São como as rosas maravilhosas, são como lírios, brancos de paz,
São flores belas de raras cores, são como aroma que satisfaz

Cores e flores, perfumes, brilhos,
Dão-se inteirinhas de coração.
Vivem na vida dos próprios filhos,
Vivem ternura, vivem perdão.

As mães são flores,
As mães queridas, são margaridas, são girassóis,
Belas estrelas que a terra nutre ao beijo quente de muitos sóis.

As mães são flores, mas flores murcham, Têm vidas curtas, sacrificiais.
Que vivam muito, pedimos hoje, ao Deus bendito,
Que vivam mais.

As mães são flores, rubras, douradas, iluminadas e muito amadas.
Sonho e afeição. Casa na rocha, que não se abala,
Ouvido e fala, verso e canção.

As mães são flores.
Deus as proteja, Deus cuide delas com muito amor.
As mães são flores, queridas flores, flores no trono do Salvador

Jardim é a vida. As mães são flores.
E no seu dia, cantamos nós:
"Deus dê a todas este presente:
Que vivam muito, mais do que a gente.
Para que nunca fiquemos sós."

---
Agora vamos estender o nosso BOM DIA a Cuiabá, Mato Grosso, Brasil e ao Mundo que neste momento esta precisando muito de um BOM DIA. Professora Aurelina Haydee do Carmo

sexta-feira, 28 de abril de 2017

Entrega Barata - Rolando Boldrin -

Entrega Barata
Rolando Boldrin

Antônio era um caboclo que vendia ovos e tinha um sítio lá pras bandas da minha terra, São Joaquim da Barra, no interior de São Paulo. Ele vivia a vida dele tranquila, ao redor de seus bichinhos, plantando umas coisinhas e criando umas galinhas poedeiras das boas.
Uma das freguesas do Caboco era uma mulher rica que vivia na cidade.
Toda semana lá ia o Antônio levar seus benditos ovinhos para madame.
Como não tinha automóvel, fazia o caminho todo a pé.


Caminhava uns bons 10 quilômetros para ir e voltar.
Mas não cansava, que o dinheiro da dona fazia diferença no fim do mês.
Mas, às vezes quando eu tinha urgência, a madame ia direto na fonte Buscar nos ovos, dirigindo um carro do último tipo e jogando poeira para todo que é lado.
A dona não tinha problema para gastar, mas uma coisa a intrigava.
Quando ia buscar os ovos do sítio, o preço era mais alto do que quando o caboclo os levava até a porta de sua casa.
Como é que podia? Não era para ser o contrário? Numa dessas idas, ela decidiu passar tudo a limpo.
Madame – Ô, seu Antônio, me diz uma coisa: por que quando vai à cidade levar os ovos o senhor cobra mais barato do que quando eu mesma venho aqui busca-los?

Caboclo – Ara Dona... É porque, quando a senhora vem buscar, tá precisando de ovo. E, quando eu vou levar na casa da senhora, sou eu que tô precisando de dinheiro, uai!
Rolando Boldrin

Agora vamos estender o nosso BOM DIA a Cuiabá, Mato Grosso, Brasil e ao Mundo que neste momento esta precisando muito de um BOM DIA. Professora Aurelina Haydee do Carmo

terça-feira, 25 de abril de 2017

Professora Aurelina no Programa Veracidade Luiz Poção, TBO

Professora Aurelina no Programa Veracidade Luiz Poção, TBO.



Agora vamos estender o nosso BOM DIA a Cuiabá, Mato Grosso, Brasil e ao Mundo que neste momento esta precisando muito de um BOM DIA. Professora Aurelina Haydee do Carmo