terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Janela Fechada

Janela Fechada

Era um rapaz muito só, filho único de uma senhora franzina, de conversa séria e franca. Seu pai era vistoso, bonito e garganteador, tinha uma verruga que dava um certo charme na sua aparência.
Torcedor fanático, jogava futebol e era sócio do Clube.

Aos  domingos vestia a camisa do time e ia para o campo. Tinha como profissão pedreiro, estava muito satisfeito.
 
Só gente rica o convidava para trabalhar em suas casas, mansões, chácaras, fazendas etc.
Era muito dedicado em seus serviços de acabamento.
Morreu...
Muita gente da alta sociedade ou como dizia ele,“Soçaite, compareceu no seu velório e todos demonstravam profundo sentimentos, pois acabava de ver inerte o corpo daquele verdadeiro mestre de obra.
E agora ... onde achar outro igual!
A casa ficou triste, somente mãe e filho. Ela nunca descuidou da criança, colocou-o no Grupo Escolar, onde fez da 1ª a 4ª série, depois fez o Ginásio, com a conclusão deste, conseguiu matricula num conceituado Colégio particular, onde fez o 2º grau – Contabilidade, terminou e entrou para uma universidade Federal.
Aluno dedicado, não faltava aula, inteligente, os professores tinham um certo cuidado, em dissertar sobre determinados assuntos, pois tudo que acontecia na cidade, no Estado, no Brasil e no mundo, ele sabia de 1ª mão, discorria sobre os assuntos parecendo que estava lá “ in loco” falava detalhe por detalhe. 

Imagina você, se ele fosse jornalista? Seria o melhor da Globo.
Qualquer um que o ouvia, era melhor ficar calado, pois passava vergonha diante de seus argumentos para comentários diversos. 

Discutia com sabedoria e firmeza a Guerra do Vietnã e a briga da Inglaterra pelas Malvinas. Diante de sua inteligência todos ficavam longe dele e ele era só, parecia que o único divertimento era acordar e ir nas bancas inteirar-se das noticias.
Naquele tempo a televisão estava começando a entrar em alguns lares, pouca gente desfrutava desta tecnologia e ainda mais, precisava de ter uma voz boa e escada alta, para subir no telhado e ficar gritando e virando a antena:
- Melhorou... Tá bom ... vira ... na direita, piorou .... Ótimo, Haja garganta!
Tá bom ... , estávamos falando do menino.
A criança, o menino, como vocês perceberam virou um homem formado, sua mãe morreu, ele ficou só, morando no mesmo bairro, na mesma rua e na mesma casa, igualzinha aquela da sua infância , nada mudou, apenas o tempo incumbiu de desgasta-la, até a janela já está carcomida pelos anos.
Passando em frente, lá estava a casinha, porta fechada e uma banda da janela aberta, isto desde o século passado. Fazia sol, fazia chuva, calor e frio, a impressão é que dentro mora alguém.
Esta semana passando por lá... que sensação horrível... estava a janela fechada.

Agora vamos estender o nosso BOM DIA a Cuiabá, Mato Grosso, Brasil e ao Mundo que neste momento esta precisando muito de um BOM DIA. Professora Aurelina Haydee do Carmo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Dica: Quem não tem senha no Google/Gmail clique:
Comentar como: "Anônimo"
deixe seu nome, cidade e comentário.