sexta-feira, 16 de agosto de 2019

Cimento

Cimento
 (Escrita por Aurelina Haydêe do Carmo para trabalho final do Curso de Crônicas)

Ela alugou uma casa,
Com área de circulação muito estreita,
Fora dos padrões tradicionais,

De vez em quando, mirava a casa da vizinha, melhor que a sua, mas esta era sua casa alugada e pagava com resultado de muitas gotas de suor.
Sonhava com uma casa igual da vizinha, com churrasqueira.

A vizinha, todos os sábados fazia churrasco e o cheiro exalava por toda a cercania. Ela sentia o cheiro da carne assada, ficava horas com água na boca e muitas vezes dirigia até ao lavabo e escovava os dentes para sentir que de fato havia mastigado um pouco daquela suculenta carne.

Imaginava... uma picanha envolta com deliciosas gordurinhas meio queimadinha, no ponto, carne esta não tão sangrenta, como gostam nossos Hermanos e não tão esturricada, como alguns dos nossos preferem.

Ela, sente o cheiro, aroma de *Casa de Festa, boi grill.
Encabulada, assiste a TV- É de Casa, levanta e arruma a casa, para receber amigos(as).

Os objetos da casa estão empoeirados, talvez com alguns resquícios de fuligens produzidos pela casa da vizinha que os ventos alísios  carregaram depositando nos seus pobres bibelôs de louças ou porcelanas, que são limpos, banhando-os numa bacia esmaltadas- bibelô e bacias eram verdadeiros antiquários, herança de sua avô e guardadas com muito zelo, foram trazidos da Itália, embrulhadas em roupas de rendas e de cetim.

De repente uma nostalgia, cansaço a perturba (trabalho fora de casa e nas horas vagas faço serviço de casa), faina de casa não rende e ainda mais, o cheiro de carne assada me causa náuseas, ouvir passos de crianças, crianças cantarolando, gritando...

Queria tanto uma casa. Uma casa sossegada, sem cheiro de carne assada, sem crianças choramingando, me perturbando, sem gritos ,sem péc ,péc de chinelos.
Bom, serviço de casa não rende.
Amanhã é domingo- saírei cedo,  madrugada, na alvorada.

Quando o sino da matriz dar 6 badaladas, saírei em direção à Casa do Senhor.
Domingo passo as horas orando...
Desta vez com muita fé, vou pedir para o Cristo Crucificado, que foi morto, mas ressuscitou – quero uma casa que eu possa falar “meu lar”. Não almejo uma casa cheia de prata e de ouro – como disse Balaâo para os servos de Balaque.

Ora, quero casar, quero uma casa com churrasqueira e crianças pulando e cantando pelos quintais.
Quem casa, quer casa.
Casa construída na rocha.

Casamento rima com cimento.
Agora vamos estender o nosso BOM DIA a Cuiabá, Mato Grosso, Brasil e ao Mundo que neste momento esta precisando muito de um BOM DIA. Professora Aurelina Haydee do Carmo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Dica: Quem não tem senha no Google/Gmail clique:
Comentar como: "Anônimo"
deixe seu nome, cidade e comentário.