sexta-feira, 24 de abril de 2020

Como Pergaminho | Aurelina Haydêe do Carmo


Como Pergaminho | Aurelina Haydêe do Carmo.
( Este poema faz parte do meu Livro: "Arrasta o Banco").

Esta cidade é minha.
Carrego no braço como pergaminho,
Atestando que aqui vivi e,
O progresso com meus olhos vi.
Do índio tenho traços.
Do negro eterno laço,
Tá na cara a identidade,
Sou parte desta cidade.
Aqui tudo reluz,
Do Morro  d a Luz,
Chegando aos arrabaldes.
As palmas das palmeiras,
Balançam sorrateiras,

Suave frescor sem alarde.

Agora vamos estender o nosso BOM DIA a Cuiabá, Mato Grosso, Brasil e ao Mundo que neste momento esta precisando muito de um BOM DIA. Professora Aurelina Haydee do Carmo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Dica: Quem não tem senha no Google/Gmail clique:
Comentar como: "Anônimo"
deixe seu nome, cidade e comentário.