terça-feira, 22 de maio de 2018

CASAMENTO DE VIÚVA

CASAMENTO DE VIÚVA
 Autora: Aurelina Haydêe do Carmo
      
Manhã linda, sol claro, ninguém imaginava que o astro ia se esconder rapidamente. Foi um corre, corre, fecha as portas, janelas, o vento de... não sei quantos Km por hora, varria tudo que encontrava pela frente.
         Uma névoa cobria a cidade. Ninguém mais enxergava um palmo a frente. De repente (o astro) reaparece como se nada tivesse acontecido e começa uma chuva, chuvona forte e fria, boa para a criançada tomar banho de chuva (longe dos olhares dos pais). A chuva grossa adentrou noite e madrugada do dia seguinte.
         Mas... só estou contando este fato, porque aproveitando o frio inesperado, bom para degustar um caldo de abóbora cabotiã, agasalhada, e preparar para ver e ouvir as notícias locais.
         Não foram notícias bonitas, muitos transtornos inesperados. O engraçado que o repórter fez-me lembrar dos tempos de criança, quando ninguém tinha medo de gripe, tosse e nem de febre Terçã.
         Saíamos pelas ruas cantando e aproveitando o sol e a chuva, alegremente comemorando. Antes de dormir tomávamos um chá forte de casca seca de laranja e meio comprimido de melhoral  ou cibalena.
         O importante era sair pela rua para comemorar “CASAMENTO de VIÚVA”.
                 *Casamento de viúva: sol com chuva ou melhor, chuva com sol.
Conto: Autora: Aurelina Haydêe do Carmo
Agora vamos estender o nosso BOM DIA a Cuiabá, Mato Grosso, Brasil e ao Mundo que neste momento esta precisando muito de um BOM DIA. Professora Aurelina Haydee do Carmo