quarta-feira, 31 de outubro de 2018

FLORES PARA MINHA MÃE

FLORES PARA MINHA MÃE
Autora: Aurelina Haydêe do Carmo

        
Óleo s/ tela 030 x 040: Aurelina haydêe do Carmo
Ah!...Faz muito tempo que D. BONEQUINHA se foi... Foi para tristeza nossa, foi para nunca mais voltar.
         Sempre achei sua trajetória muito rápida. Foi igual a um cometa, ou, talvez como o LÍRIO do CAMPO...
         Deixou muito perfume da sua existência nesta vida. Ainda hoje caminhamos trilhando com muitas saudades. A placa colocada na porta da nossa loja, elaborada com a letra do meu único irmão, ficou na minha memória.
         Fechado: “MOTIVO LUTO”.
         Assim como ficou gravada a música “CORAÇÃO de LUTO” que na época, todas as rádios e alto falantes tocavam nas alturas, pois era sucesso.
         Eu trabalhava num colégio muito bonito, que tem um saguão bem grande. Quando saí da minha sala, olhando para a entrada do colégio, deparei com a minha irmã, mais nova que eu. Corri ao seu encontro, nós nos aproximamos e ela não disse nada, abraçamos e começamos a chorar.
         A música do barzinho ao lado, parecia que era só para mim naquele momento.
         Todas as placas que avisa “Luto”, me faz lembrar daquele dia fatídico, em que minha mãe partiu do nosso convívio, deixando nossa casa grande demais, vazia, ficou como se fosse um labirinto.
         Nossa mãe que nos ensinou as primeiras letras. Ela que fazia os nossos lindos vestidos, tecidos comprados em uma loja de importados, costuras muito caprichadas imitando a alta costura.
         Guardamos com muito carinho as fotos tiradas pelo fotógrafo Japonês  ou chinês, não me lembro, só sei que era ele o fotógrafo da cidade.
         Ela bordava nossas camisolas e colocava lindas rendas nas nossas anáguas e as engomavam.
         A sua voz era bem afinada, cantava muito e vivia sorrindo. Gostava de viver, tinha muitas amigas. Nossa casa era cheia de gente, gente de perto e gente de longe.
         Enfim, era uma mulher linda, com longos cabelos lisos, castanhos, deixando uma onda do lado esquerdo transparecer toda a sua graciosidade.

         Bem, tenho muito para falar de sobre ela. A vida inevitavelmente, continua, não tem outro jeito, então, carinhosamente “ FLORES para minha MÃE”.
Conto: Autora: Aurelina Haydêe do Carmo
Agora vamos estender o nosso BOM DIA a Cuiabá, Mato Grosso, Brasil e ao Mundo que neste momento esta precisando muito de um BOM DIA. Professora Aurelina Haydee do Carmo